16 de dez de 2011

Analise: Spawn – Armageddon.


Ano de lançamento: 2003.
Gênero: Ação/Plataforma.
Produtora: Namco.


Em 1992 o cartunista Todd McFariane introduziu no mundo dos quadrinhos um dos personagens mais emblemáticos dessa arte, Spawn, que explora temas fortes e nada recomendado a crianças. O agente da CIA Al Simmons é morto em uma armadilha feita pelo seu antigo chefe. Após ir para o inferno ele negocia com o Diabo. Agora Simmons assume a identidade de Spawn, que deveria liderar os exércitos do inferno. Infelizmente o servo do tinhoso
nunca teve uma representação decente nos cinemas ou nos games. Spawn – Armageddon
foi a única tentativa de haver um game interessante de Spawn no Playstation 2, com direito ao próprio Todd como diretor de produção do game. Poderia a mitologia violenta e gótica de
Spawn ganhar um game realmente à altura dessa vez?

Fiel aos quadrinhos.

Uma vez que a produção geral do game ficou a cargo do criador do personagem não fica a dúvida de que todo o universo grotesco deSpawn está ali. Com hordas de demônios para enfrentar, poderes das trevas aconquistar e uma trama que se amarra bem aos primeiros 99 exemplares da saga. No entanto, o game não se esforça para apresentar esse universo aos novatos,
cujo algumas aparições de personagens conhecidos nos quadrinhos passa totalmente batida para tal publico. Fãs mais ferrenhos do soldado infernal ficam alegres em notar que todo o clima nefasto da trama se encontra presente. Desde inimigos clássicos até aos poderes do herói, como conjurar correntes, disparar raios mortais, usar seu machado e sua capa para planar por cenários. Na falta de maná Spawn apela para suas antigas habilidades de agente da CIA, usando
armas de fogo humanas para liquidar seus oponentes. Spawn toma emprestado o sistema de orb´s de Devil May Cry, coletando-os e trocando por melhorias para seus poderes e para
comprar munição antes de iniciar cada missão.



Fidelidade não é tudo.

Se fosse apenas por fazer jus ao conceito da obra, Spawn – Armageddo seria um jogão. Mas o maior defeito do título é sua apresentação pobre e sem vida, o que é suficiente para afastar até o menos exigente dos jogadores. Mesmo que se aprofunde bem no universo criado por McFariane as repetições são grandes e já começam a ser irritantes desde a primeira fase. Em resumo, você anda pelos cenários, destrói inimigos com golpes, tiros e magias repetitivas e ocasionalmente enfrente desafios ao estilo plataforma, pulando por cima de abismos, planando para chegar a lugares mais distante ou usando as correntes para alcançar pontos mais altos nos cenários. Há
batalhas contra chefes ocasionalmente, e ainda que sejam interessantes e diferenciadas, são insuficientes diante do resto do game. Mesmo o sistema de combate é muito fraco, sendo apenas o esquema de amassar botões, usar armas de fogo é apenas para quebrar a rotina. A parte técnica só ajuda a piorar a situação.

Os cenários no geral não apresentam muito luxo de produção, com poucos elementos interativos, apenas as clássicas caixas que guardam itens, mas em tempos como esses, quebrar caixas já não é grande coisa. No entanto, é bom ressaltar que as fases apresentam variedade e algumas até chegam a ser agradáveis ao conceito do game, como salas repletas de sangue aqui ou ali. O que incomoda no game são os personagens, que são muito mal feitos e porcamente animados. Vamos começar falando pelo Spawn, que perdeu as articulações do corpo quando foi para inferno; isso por que não há outra explicação para uma animação tão dura em sua movimentação, parecendo até um corredor de marcha atlética. A situação não melhora nos inimigos, dá pra ver que há boas idéias nos desings, mas todas mal trabalhadas. Nem mesmo os chefes com o conceito mais blasfemo conseguem dar algum animo ao visual amador do game. A falta de trabalho nos efeitos também deve ser destacada. Usar a corrente produz uma animação tão fraca e sem vida que você prefere nem usá-las, o mesmo acontece com efeitos de magia e explosões, que parecem não corresponder com a situação. Por vezes você vai dizer (nossa, eu me sinto jogando um game de PSX) isso quando você não pensar (Caramba, eu já joguei coisa MELHOR no meu PSX).
A parte sonora completa a pobreza de todo o resto, com sons fracos e sem personalidade, também dando a impressão de não fazer parte do que acontece na tela. A trilha sonora é enjoada e forçada, com temas quase que mudos nos momentos de exploração e um rockzinho muito mal elaborado nos momentos de luta. Não faz muita diferença entre deixar a televisão alta ou não no caso desse game.

Faltou empenho.
Todd McFariene se esforçou para a imersão do jogador no universo de sua criação, e verdade seja dita, cada elemento que fez de Spawn um sucesso está lá. Mas a parte técnica não se empenhou nenhum pouco, fazendo um game muito abaixo do genérico. As idéias foram ótimas, mas não foram executadas como deveriam, o que realmente impede qualquer jogador de se divertir
muito tempo com este título. Talvez a única parte técnica que demonstra um pouco de competência é a jogabilidade, que é de simples execução, de resto, Spawn –Armaggedon é um título que talvez só sirva pra agradar os fãs da série, e mesmo esse publico vai ter dificuldades em engolir as falhas tristes apresentadas no decorrer do game.

Notas.
Gráficos:
5.0
Som: 6.0
Jogabilidade:
8.5
Replay: 2.0

Prós:
-Fiel ao universo dos quadrinhos.
-Jogabilidade simples.

Contras:
-Gráficos pobres.
-Efeitos de tela quase que inexistentes .
-Trilha sonora Mediocre.







10 comentários:

  1. pqp, como é q eu nao conheço esse game.
    q sakanagem, eu adoro o Spawn.
    vo faze o download dele hoje msm.

    ResponderExcluir
  2. Galera do Playstation 2 eterno. muito obrigado por mais um post,ficou da hora. eu preciso de ajuda, é que meu memory card não consegue mais gravar nenhum jogo e quando eu olho pelo sistema aparece´´(NÃO HÁ DADOS)como se ainda não tivesse nenhuma gravação o que eu faço?? grato por alguma ajuda:)
    obs:ainda existem 947kbytes livres e não tem nada corrompido.

    ResponderExcluir
  3. Sempre quis conhecer esse Spawn do Ps2!!

    #Junior
    Tente usar o Mc Annihilator 2.0, que é uma ferramenta que formata o Memory Card, talvez possa resolver seu problema. Se não souber usar homebrews no PS2, dê uma 'googlada'!! É muito fácil! Flw!

    ResponderExcluir
  4. Link : http://psx-scene.com/forums/f19/release-mc-annihilator-v2-0-a-65652/

    ResponderExcluir
  5. eu vi esse jogo pra vender vo compra amanhaaã
    mais n sei se vai velar apena

    ResponderExcluir
  6. Como ussar magia no spawn

    ResponderExcluir
  7. Comprei esse jogo ontem... To jogando agora aqui, vou dizer a verdade, única coisa que não presta no jogo é os gráficos, por que o resto é até foda mano.
    No começo achei os gráficos uma bosta, mais depois começei a gostar mais do jogo, nen ligo mais pros gráficos, por isso que eu digo, gráficos não é tudo, com muitos inimigos diferentes.
    Mais Trilha sonora Mediocre? Não achei não, compina muito bem com o jogo desse tipo no estilo "meio louco", as musicas são fodas.
    Então é um bom jogo, não é ruin.

    ResponderExcluir
  8. Concordo com o José Adriano , o jogo é bom sim

    ResponderExcluir
  9. qual e o nome da musica dos creditos quero baixar

    ResponderExcluir

Todos os Comentários são lidos e moderados previamente.
São Publicados aqueles que respeitam as Regras Abaixo:

- Não faça propaganda de outros blog/sites;
- Use o OpenID ou Nome/URL caso não seja seguidor;
- Não inclua links desnecessários no seu comentário;
- Seu comentário é nossa inspiração!
- Não respondemos comentarios 'anônimos' sem identificação nenhuma.
- Obrigado pelo Apoio ;D