2 de jul de 2012

Análise The Lord of the Rings: Aragorn's Quest


Ano de Lançamento: 2010
Desenvolvido por: TT Games
Distribuído por: Warner Bros Interactive
Gênero: Aventura



The Lord of the Rings: Aragorn's Quest é mais um game sobre a obra de J.R.R. Tolkien, só que desta vez toda a história de o Senhor dos Anéis é vista da perspectiva de Aragorn. O game tem um apelo infantil, visando atrair esse público com base nos gráficos cartunizados e dificuldade baixa.

Enredo
Como já descrito acima o game retrata as aventuras da obra Senhor dos Anéis, no jogo Sam do condado está narrando a seus filhos as façanhas e aventuras de Aragorn, então as aventuras são mostradas da perspectiva de Aragorn, privilegiando as sequências de batalhas contidas na obra, no entanto o jogo é bem simplista resumindo muito a história.

O Game
Aragorn’s Quest pode ser visto como um jogo de aventura com pitadas de Hack n’ Slash. Você controla Aragorn de uma perspectiva em terceira pessoa semelhante ao que vemos em Diablo, você deve derrotar seus inimigos e resolver pequenos problemas (puzles). Aragorn dispõe de sua espada e de um arco, com a espada temos alguns combos bem simples ideais para combates corpo a corpo, já o arco serve mais para inimigos que surgem durante o gameplay em locais inacessíveis, mas alvejáveis.



Nosso protagonista também conta com algumas habilidades que podem ser desbloqueadas com pontos de habilidade conquistados ao subir de level no game, ao total são três tipos de habilidades, uma para ataques de espadas, outra para o arco e mais uma categoria de status onde se pode aumentar momentaneamente velocidade, força ou mesmo recuperar vida.
Cada habildade liberada pode ser acessada com a combinação de botões R1+ quadrado, ou bolinha, triângulo ou x, cabendo ao jogador configurar as habilidades em um dos botões.

Gráficos
Os gráficos do jogo são muito ruinzinhos, basicamente os personagens estão em Cell Shade, mas eles têm uma modelagem muito fraca, apesar de Aragorn ser um pouco mais caprichado mesmo assim não é nada de mais. Os cenários são bastante coloridos e são até legais, no entanto, falta profundidade e detalhes que de fato mostram a ineficiência de quem fez o jogo. Em alguns momentos vemos o horizonte e cenários mais ao longe e a impressão que temos é que tudo não passa de um borrão, uma coisa muito mal feita mesmo.


Jogabilidade
A jogabilidade é bem simples, simples demais mesmo, nós contamos com um botão de ataque rápido (quadrado), um de ataque forte (triângulo), um para utilização do arco e flecha (bolinha que pode ser carregado para maior dano), e por fim o x que serve para bloqueio e para ativar mecanismo e etc. com R2, L2 e d-pad para cima acessamos o mapa, com o R1 ativamos as habilidades combinando com os botões quadrado, x, bola e triângulo (respectivamente Habilidades com espada, habilidade de status, habilidades com arco e flecha e habilidades de impacto e efeito com espada). Com o d-pad para baixo você escolhe que habilidade deixar para serem usadas com R1. E o mais comum, o analógico esquerdo serve para movimentar o personagem.

Falhas
O game tem algumas falhas realmente irritantes, a começar pelas cenas em CG (duas) que são muito fracas. Há também algo muito chato, quando se começa uma fase, sempre dá uma travadinha que deixa o jogo lento como se não tivesse carregado direito. Os gráficos são bem mal feitos como disse acima e você apenas controla Aragorn e só vê ele na tela, mas teoricamente os outros personagens estariam ali também participando da mesma aventura ao lado de Aragorn, pois durante o game eles dialogam, indicam o que tem que ser feito, mas não são vistos(?). Os efeitos de som são bem fracos, com sons repetitivos até não poder mais, em geral os inimigos também são bem repetitivos embora existam algumas raças no game (orcs, uruk raí, fantasmas, homens do norte e etc).

Pontos positivos
Apesar de tudo o game tem um ponto realmente positivo que é a tradução de todos os textos e menus em português, o que faz com que qualquer um entenda o que se passa no jogo e na história, coisa que era raro na geração do ps2.


Replay
O game tem uma campanha curta de umas 6 horas na primeira jogatina, e também há alguns itens especiais escondidos nas fases que contam a história de Aragorn, mas não é muito difícil achar os mesmos. Durante a campanha destravamos o modo Arena que é até legalzinho, onde enfrentamos ordas em uma arena fechada tendo algumas metas a bater em cada uma (Como não levar dano, matar tantos orcs, terminar a arenas em tempo determinado e por ai vai).

Conclusão
O game Aragorn’s Quest pode até agradar um pouco pela aventura em si, mas eu não recomendo principalmente em si tratando de um game tão curto e com tantas falhas. Esse jogo por ter sido lançado em 2010 deveria apresentar uma mecânica e gráficos bem mais primorosos, quem pegar o jogo achando que vai se deslumbrar com uma incrível aventura vai se decepcionar.


Um comentário:

  1. Nesse jogo vc falou sobre as falhas, a tbm a possibilidade de quando matar o ´´chefão´´ Saron, o jogo passar um filme e começar tudo de novo, é um problema q não da para resolver, eu procurei eu sites as dicas mais nada, as pessoas q dão as dicas estão em fases super adiantadas.Então só queria saber se é um defeito ou algo q esqueci anteriormente

    ResponderExcluir

Todos os Comentários são lidos e moderados previamente.
São Publicados aqueles que respeitam as Regras Abaixo:

- Não faça propaganda de outros blog/sites;
- Use o OpenID ou Nome/URL caso não seja seguidor;
- Não inclua links desnecessários no seu comentário;
- Seu comentário é nossa inspiração!
- Não respondemos comentarios 'anônimos' sem identificação nenhuma.
- Obrigado pelo Apoio ;D